Seguidores

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Nós já sabíamos…

Vejam a matéria da BBC, publicada ontem no portal de notícias G1:

Um estudo publicado pela revista científica “Journal of Family Psychology”, da Associação Americana de Psicologia, sugere que casais que esperam para ter relações sexuais depois do casamento acabam tendo relacionamentos mais estáveis e felizes, além de uma vida sexual mais satisfatória.

Entre os ouvidos para a pesquisa, pessoas que praticaram abstinência até a noite do casamento deram notas 22% mais altas para a estabilidade de seu relacionamento do que os demais.

As notas para a satisfação com o relacionamento também foram 20% mais altas entre os casais que esperaram, assim com as questões sobre qualidade da vida sexual (15% mais altas) e comunicação entre os cônjuges (12% maiores).

Para os casais que ficaram no meio do caminho – tiveram relações sexuais após mais tempo de relacionamento, mas antes do casamento – os benefícios foram cerca de metade daqueles observados nos casais que escolheram a castidade até a noite de núpcias.

Mais de duas mil pessoas participaram da pesquisa, preenchendo um questionário de avaliação de casamento online chamado RELATE, que incluía a pergunta ‘Quando você se tornou sexualmente ativo neste relacionamento?’.

[...] “Independentemente da religiosidade, esperar (para ter relações sexuais) ajuda na formação de melhores processos de comunicação e isso ajuda a melhorar a estabilidade e a satisfação no relacionamento no longo prazo”, diz ele.

“Há muito mais num relacionamento que sexo, mas descobrimos que aqueles que esperaram mais são mais satisfeitos com o aspecto sexual de seu relacionamento.”

O sociólogo Mark Regnerus, da Universidade do Texas, autor do livro Premarital Sex in America, acredita que sexo cedo demais pode realmente atrapalhar o relacionamento.

“Casais que chegam à lua de mel cedo demais – isso é, priorizam o sexo logo no início do relacionamento – frequentemente acabam em relacionamentos mal desenvolvidos em aspectos que tornam as relações estáveis e os cônjuges honestos e confiáveis.”

É mais do mesmo. A ciência dará voltas e voltas para depois afirmar aquilo que há mais de dois mil anos estamos dizendo.

Os chamados “matrimônios de prova”, segundo o qual um casal passa a viver juntos para “experimentarem” a convivência e só depois decidir ou não sobre o autêntico casamento, não respeitam o princípio personalista fundamental de que um ser humano, dada sua altíssima dignidade, jamais pode ser tratado como um instrumento descartável.

Test-drive se faz com carros, não com pessoas.

Fonte: Ignem in Terram

Nenhum comentário:

Postar um comentário