Seguidores

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Corrigindo as Prioridades

 

Por Luiz Lemos – Fonte : Seguidores do Caminho

Nota: Deve ser lido considerando-se tratar de site protestante.

Alguma vez você já desejou que seu dia tivesse trinta horas, ao invés de vinte e quarto? Eu já! Essas horas extras seriam para aliviar a imensa pressão que pesa sobre nossos ombros, não é?

É comum deixarmos atrás de nós um rastro de tarefas inacabadas:

- Cartas não respondidas

- Discípulos e amigos não visitados

- Artigos não escritos

- Leitura da Bíblia atrasada

- Livros não lidos

- Telefonemas não dados

Além de tarefas normais que uma família enfrenta no dia a dia como crianças para a escola, alimentação e à noite separar um tempo de qualidade como casais.

- momentos não aproveitados para avaliar a vida, decisões que precisamos tomar, etc.

Precisamos desesperadamente atenuar essa pressão que sempre paira sobre nós.

Será que trinta horas resolveriam o nosso problema? Será que não ficaríamos frustrados, da mesma forma, preenchendo essas seis horas a mais e caído na mesma armadilha?

Quando os filhos requerem mais do nosso tempo; quando o trabalho acarreta maior responsabilidade, etc., passamos a nos esforçar mais sem termos tanta alegria em cumprir nossos compromissos.

Meditando sobre a vida e ministério de Jesus, concluímos que Ele não se apressava. Multidões O incomodavam, estranhos disputavam para tocar em Suas vestes. Pessoas com grandes necessidades perturbavam Seu sono e interrompiam Seu ensino.

Em apenas um dia, Jesus encorajou discípulos, curou doentes, ensinou multidões, alimentou cinco mil pessoas e ajudou um amigo que enfrentou uma tempestade no mar. Tudo isso e Ele ainda reservou um tempo para estar a sós com Deus (Jo.6:1-24)

Ao final de três anos de ministério, Ele pode dizer ao Seu Pai que o trabalho para o qual fora enviado estava terminado.

“Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer”. (Jo.17:4)

Mas como? Ainda havia muitos doentes, endemoninhados, gente com fome e lugares para proclamar. Como Ele podia dizer que a obra estava terminada? Vejamos:

1-) DEPENDÊNCIA – (Jo.8:28)

Jesus disse: “... nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou”. Jesus andou em perfeita harmonia, e em total dependência do Pai.

2-) OBEDIÊNCIA – (Jo.15:9,10)

“Como o Pai me amou, também eu vos amei; permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permaneceis no meu amor; assim como também eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e no seu amor permaneço”.

Jesus alinhou a Sua vida com a do Pai e obedeceu a Palavra, o que Lhe trouxe total realização.

3-) PROPÓSITO – (Jo.8:14)

“...porque sei donde vim e para onde vou”.

Toda ação de Cristo foi baseada no Seu Propósito. Ele não discutiu se tinha tempo ou não para aceitar as Suas atividades. Sua atitude foi deliberada: “Por essa causa Eu vim!”.

É obvio que Jesus conhecia Suas prioridades e as colocava em ordem correta.

QUANDO NOS DETEMOS PARA AVALIAR FRIAMENTE, COMPREENDEMOS QUE O NOSSO PROBLEMA REAL NÃO É A ESCASSEZ DE TEMPO, MAS SIM PRIORIDADES ERRADAS.

Somos envolvidos pela tirania do urgente. O urgente luta pela atenção. Grita, berra como qualquer criança mimada que, atirando-se ao chão, esperneia quando seus desejos não são satisfeitos.

O urgente ataca o lar e seus relacionamentos. Se pararmos para analisar a questão concluiremos que nossos relacionamentos familiares não estão como poderiam e deveriam ser, isso sem mencionar nossas vidas pessoais.

Trabalhamos cada vez mais, para alcançarmos cada vez menos significado no que fazemos. Nossos relacionamentos com nossos cônjuges e filhos diminuem assustadoramente em qualidade e quantidade.

PRECISAMOS, DESESPERADAMENTE, ENTENDER QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DE DEUS PARA NÓS E PARA NOSSAS FAMÍLIAS, VAMOS DAR UMA OLHADA NELAS:

1-) PESSOAS ANTES DAS COISAS

A história do casal que foi crescendo e prosperando financeiramente, tinham tudo na área material, o marido cada vez trabalhando cada vez mais, até que a esposa abriu o coração e disse: Acho que você não me ama mais. Mas como, responde o marido assustado: Mas eu tenho te dado todo conforto material e financeiro, como pode isso? Ela responde:

- Querido, eu não quero coisas que você me dá. Quero você!

Nossa prioridade é, primeiramente, darmos a nós mesmos e então, as coisas materiais, seja para o nosso cônjuge, filhos ou pais.

2-) LAR ANTES DA PROFISSÃO

Sei que para alguns acabo de tocar em uma questão difícil, especialmente para o homem ou mulher que anseia realizar-se profissional e ou ministerialmente. Muitas pessoas casam com a profissão, esquecem suas famílias e acabam cometendo um certo tipo de adultério.

3-) CÔNJUGE ANTES DOS FILHOS

Conheço pais que devotam tanto aos filhos, que colocam seus cônjuges em segundo plano. O elo principal em família não é entre pais e filhos, mas sim, entre marido e mulher.

Esta verdade encontra ilustração na vida de muitos casais que se dedicaram tanto aos filhos, que quando eles casaram e saíram de casa, esses casais não suportaram a vida a dois e se separaram. Eles não souberam viver entre si.

4-) FILHOS ANTES DOS AMIGOS

Pai, talvez seja necessário que você abra mão do seu compromisso de sábado à tarde com os amigos, do jogo de futebol com a turma do escritório, ou da visita já marcada, para ir passear com seus filhos, assistir o jogo da escola, fazer compras com sua filha ou pescar com seu filho. Tal atitude, sem sombra de dúvida, mostrará a eles quanto você os considera importantes.

5-) CÔNJUGE ANTES DE SI MESMO

Esta é realmente a essência, do ponto de vista bíblico, no que diz respeito ao casamento. O amor ágape é outro-centralizado e nãoautocentralizado. Mesmo no tocante à relação sexual, Paulo diz em I Co. 7:3-5, que não há lugar para egoísmo nesse tão importante, sublime e íntimo relacionamento. Em nossa sociedade voltada para o egocentrismo, os casais cristãos precisam conscientizar-se de que o amor ágape é o único que pode fazer um casamento realmente bem sucedido.

6-) ESPÍRITO ANTES DA MATÉRIA

Em II Co. 4:18, Paulo diz: “Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que não se vêem: porque as que se vêem são temporais, e as que não se vêem são eternas”. Mesmo sinceros e bem intencionados, somos impelidos pelos clamores do que há por fazer e confundimos o material com aquilo que é essencialmente do espírito. As coisas eternas são invisíveis. A alma, o galardão celestial, a fé, a esperança e o amor não podem ser vistos, mas são os mais importantes elementos do tempo e da eternidade.

Se continuarmos a nos submeter ao urgente, abraçando um estilo de vida cada vez mais intenso, devemos, enquanto é tempo:

- Parar e avaliar: será que temos colocado pratos demais para girar nas varas?

- Pedir a Deus que nos mostre Suas prioridades para nossas vidas.

- Estar abertos à mudanças drásticas.

Que Deus nos ajude a caminhar rumo à disciplina de uma vida pessoal com Ele, aproveitando o tempo que temos em nossas mãos.

C.S. Lewis citou a seguinte frase: “Ame a Deus de todo seu coração e faça aquilo que quiser!”

Se amarmos o Senhor nosso Deus de todo coração, teremos as perspectivas corretas para tomarmos as decisões em nossas próprias vidas, e sermos bons mordomos do tempo precioso, que passa tão depressa por nossas mãos.

Um comentário:

  1. Achei de muita utilidade os pontos apresentados no final do texto. Definir prioridades é um exercício que supõe saber ouvir o outro também.

    Muito grato pelo post.

    ResponderExcluir